Tratamento para Transtornos de Ansiedade em São Paulo

Tranquilizantes: Parar Não é Fácil

Os tranquilizantes são provavelmente as drogas mais prescritos entre os psicotrópicos.

Isto ocorre porque os clínicos têm predileção sobre elas, juntamente com os cardiologistas e os neurologistas.

Além disso são drogas mais antigas e trazem mais segurança aos não psiquiatras.

Por exemplo, é mais fácil um clínico prescrever Lexotan do que Brintelix, um antidepressivo de última geração recém-lançado no mercado, cujo manejo ainda é pouco conhecido.

Pra que servem os tranquilizantes?

Eles são usados como calmantes e também como indutores e mantenedores do sono.

Além de terem uma ação relaxante muscular.

São vendidos com receita médica controlada, de notificação B (receituário azul).

O que todo mundo deveria saber sobre os tranquilizantes

tranquilizxantes

Que apesar de serem drogas agradáveis de se usar, podem causar uma série de problemas, que serão vistos logo adiante.

Antes, veremos quais são os mais prescritos.

Rivotril – tranquilizante de vida longa, e por esta razão pode e deve ser administrado em dose única.

Suas apresentações são comprimidos de 0,5mg e 2mg, e solução oral em que cada gota tem 0,1 mg.

Dispõe de uma apresentação sublingual que leva a um rápido início de ação (de aproximadamente 3 minutos).

Um dos seus efeitos desagradáveis é a sonolência prolongada.

Frontal – Devido à sua meia-vida mais curta, necessita de um número maior de tomadas ao dia.

Suas apresentações são comprimidos de 0,25mg, 05mg, 1mg e 2mg.

Conta ainda com apresentações de liberação prolongada, o Frontal XR de 0,5mg e de 2mg.

E também com uma apresentação sublingual, o Frontal XL.

Tanto o Rivotril como o Frontal são drogas de alta potência.

Lexotan – um dos tranquilizantes mais prescritos pelos não psiquiatras. Não possui a mesma potência que o Rivotril e o Frontal. Suas apresentações são comprimidos de 3mg e 6mg.

Olcadil – não tão usado. Suas apresentações são comprimidos de 1mg, 2mg e 4mg.

É importante lembrar que os tranquilizantes interferem negativamente com a terapia de exposição da terapia comportamental cognitiva, retardando ou mesmo impossibilitando seus resultados.

Problemas causados pelos tranquilizantes

tranquilizxantes

  • Sedação com risco de acidentes
  • Dependência/abstinência: relacionada ao comportamento de aumentar a dose por conta própria
  • Ansiedade paradoxal – aoinvés de melhora levam à piora da ansiedade
  • Hostilidade/Impulsividade
  • Vertigem
  • Disartria – dificuldade de articular as palavras
  • Ataxia – incoordenação motora com risco de quedas, sobretudo em idosos
  • Prejuízo da memória

Por essas e outras que sou muito criterioso na prescrição de tranquilizantes.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

Tabagismo: cigarro e outros lixos

O tabagismo é um problema de saúde evitável. O que muitas vezes não dá para evitar são as consequências advindas do seu uso.

tabagismo

Como por exemplo, as crianças nascidas com baixo peso, filhas de mães tabagistas.

O mais espantoso é que apesar das campanhas que alertam sobre isso, as pessoas continuam a fumar. Menos, é verdade, mas continuam. E às vezes de um modo bizarro.

Há alguns anos tratei de uma paciente ansiosa e tabagista inveterada. Esta moça fazia uso de dois maços de cigarro por dia.

Ela acabou tendo câncer de pulmão, foi operada e teve que fazer uma traqueostomia. O mais impressionante, entretanto, foi o fato de que ela fumava pela traqueostomia.

Frequência com que ocorre o tabagismo

Mais da metade da população mundial adulta já fez uso de tabaco. Para ser mais preciso, 53%.

A dependência ocorre em cerca de 10%. Aos 12 anos de idade, 3% já são dependentes. O cérebro dos jovens é mais suscetível a dependência.

Há mais de 4.000 substâncias presentes na fumaça do tabaco. Algumas delas são responsáveis pela dependência.tabagismo

Há diversas maneiras de se consumir tabaco. Todas elas são nocivas:

  • Cigarro
  • Charuto
  • Cachimbo
  • Fumo de corda
  • Narguilé
  • Mascado

O tabagismo mata mais do que o álcool, as drogas ilícitas, o suicídio, a AIDS e os acidentes de carro, todos juntos.

A elevada mortalidade do tabaco ocorre porque ele causa problemas no coração, como o infarto do miocárdio, problemas pulmonares,  como o câncer e o enfisema pulmonar, de orofaringe – diversos tipos de câncer, entre outros.

Problemas de saúde associados ao tabagismo

  • Abuso de outras drogas
  • Depressão
  • Transtornos de ansiedade
  • Psicoses/esquizofrenia

Em relação aos psicóticos, na grande maioria eles são tabagistas.

Tratamento do tabagismo

O tratamento se dá com medicamentos e psicoterapia.

Tratamento medicamentoso: algumas substâncias ajudam muito no controle do tabagismo. São elas: os antidepressivos Zyban e Pamelor, o Champix, os adesivos de nicotina, a goma de mascar e a pastilha com nicotina. Estes tratamentos devem ser feitos sob supervisão médica.

Quanto ao tratamento psicoterápico, a terapia comportamental cognitiva tem se mostrado superior a outras abordagens.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto