Tratamento para Transtornos de Ansiedade em São Paulo

Estresse no Trabalho

O estresse no trabalho é um evento frequente na vida das pessoas que estão empregadas.

estresse no trabalho

Mas pode ocorrer também na vida dos autônomos, embora seja aceito como fato que é melhor se trabalhar por conta própria do que como empregado.

A pressão por se realizar determinada tarefa em um prazo apertado é uma das situações que mais  encontramos dentro do ambiente de trabalho.

Fazer muitas coisas ao mesmo tempo é outra.

Bem como ter que sair tarde do trabalho.

Assim como levar trabalho pare ser feito em casa às noites e também nos fins de semana parecem ter sido incorporados à rotina de quem trabalha no mundo corporativo.

As pessoas vão ficando tensas e preocupadas se vão dar conta de fazer determinado trabalho dentro do prazo exigido e com a qualidade esperada.

Com isso, perdem o sono, o apetite, a disposição, sentindo-se fracas e com muitas queixas físicas.

Como dores de cabeça, musculares, gastrite e alergias, entre outras.

O estresse no trabalho pode estar dentro de você

Há estudos que apontaram os trabalhadores brasileiros entre os mais estressados do mundo no quesito Esgotamento Profissional.

A Síndrome de Burnout é relatada com extrema frequência entre os trabalhadores do Brasil.

estresse no trabalho

Esta síndrome se caracteriza por um tipo de estresse no qual a pessoa se consome física e emocionalmente.

Além de apresentar um comportamento irritado  e agressivo.

O quadro evolui até que sua energia se esgote por completo, ficando apática e desconectada do ambiente de trabalho.

Quanto maior a responsabilidade que a pessoa tem no trabalho e quanto maior o contato interpessoal, maiores são as chances dessa pessoa estressada desenvolver o Burnout.

O grau de envolvimento com as questões do trabalho podem ser o estopim para o surgimento desta síndrome.

Prevenir pode ser o melhor remédio: encontre um tempo para desfrutar com sua família, amigos e fazer uma atividade física. Alimente-se de forma saudável. Se puder, pratique uma técnica de relaxamento e faça meditação.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

 

 

Estresse Ansiedade e Depressão

estresseEstresse não é doença, mas pode levar um organismo a adoecer.

O estresse é um estado de tensão física ou psíquica desencadeado por circunstâncias adversas que acontecem na vida  das pessoas e que, a depender da natureza da circunstância, pode acarretar maior ou menor estresse.

Em casos mais leves, sintomas como dor de cabeça, gastrite, tensão muscular estão presentes.

Outros sintomas, como aftas, cansaço, dificuldade para adormecer, problemas de pele e queda da imunidade também podem ocorrer.

Quando o estresse é pesado, pode haver um esgotamento físico e mental total: é a Síndrome de Burnout.

Estas circunstâncias adversas são chamadas de Estressores psicossociais.

Veja a relação desses estressores presentes na escala de Holmes e Rahe para avaliação do estresse, que se encontra abaixo. Quanto maior a pontuação, maior o estresse.

.

.

.

Avaliação do estresse na vida das pessoas

Estressores  Nº de pontos
Morte do cônjuge 100
Divórcio 73
Ser preso 63
Morte de pessoa querida da família 63
Ferimento ou doença pessoal grave 53
Casamento 50
Demissão do emprego 47
Reconciliação com cônjuge 45
Aposentadoria 45
Doença grave em pessoa da família 45
Gravidez 40
Dificuldades sexuais 39
Chegada de novo membro à família 39
Adaptação a novo emprego ou negócio 39
Alteração da situação financeira 38
Morte de amigo(a) querido(a) 37
Mudança para outra área de trabalho 36
Variação na freqüência de discussões com o cônjuge 35
Dívidas 31
Mudança de responsabilidade no emprego 29
Filho(a) saindo de casa 29
Dificuldades com os sogros 29
Façanha pessoal incomum 28
Cônjuge começa ou pára de trabalhar 26
Inicio ou término de estudo escolares 26
Alteração nas condições de vida 25
Revisão de hábitos pessoas 24
Dificuldades com o chefe 23
Mudança nas condições ou horários de trabalho 20
Mudança de escola 20
Mudança de tipo de lazer 19
Mudança de atividades sociais 18
Alteração nos hábitos de dormir 16
Alteração nos hábitos de comer 15
Férias 13
Natal 12
Transgressões (não graves) da lei 11

São muitos os itens desta escala.

Na verdade, são 37 itens. A gravidade maior ocorre com a presença de diversos estressores, ou de apenas de um com pontuação elevada, como a separação ou divórcio, cuja pontuação é igual a 73.

Pontuação elevada na escala de Holmes e Rahe está correlacionada com a presença de doenças..

Estresse, doenças físicas e psíquicas

estresse

 

  • Hipertensão arterial
  • Diabetes: o estresse leva a um aumento do cortisol plasmático. O cortisol elevado aumenta os níveis de glicose no sangue
  • Dislipidemias: elevação acentuada do colesterol e dos triglicérides (gorduras)
  • Problemas cardíacos
  • Gastrite
  • Obesidade
  • Alguns tipos de câncer
  • Asma
  • Alergia
  • Intestino preso
  • Depressão
  • Transtornos de ansiedade: pânico, ansiedade generalizada

As três primeiras doenças fazem parte da síndrome metabólica e devem estar bem controladas.

Seu descontrole pode ter consequências graves na vida de seus portadores, podendo levar à morte se não for tratada.

Como combater o estresse, prevenir doenças e melhorar a qualidade de vida.

Algumas medidas podem ser inseridas na vida do estressado. Veja algumas delas:

  1. Alimentação adequada: evitar alimentos como carnes gordurosas e alimentos excessivamente calóricos. Procure fazer uma dieta diversificada  com proteínas, carboidratos, legumes, verduras e fibras diversas como trigo. Lembre-se de que quanto mais colorido estiver o seu prato, mais saudável será a sua refeição
  2. Atividade física: faça caminhadas, corridas (consulte um médico antes de começar), ginástica, pratique esportes e você vai ver que o estresse diminui, bem como diminui a sua vulnerabilidade a ele.
  3. Faça meditação
  4. Aprenda a relaxar: na seção livros deste blog há um deles sobre relaxamento
  5. Mude seus pensamentos para mudar como você se sente: veja o post “Como controlar a ansiedade.”
  6. Procure ser assertivo ou ter um comportamento que o deixe mais satisfeito com a sua atuação como, por exemplo, negar um pedido que não queira conceder. Saber dizer não é uma arte.Quando você diz  não ao que não quer fazer, você se sente mais feliz.
  7. Tenha um hobbie

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com seus amigos nas Redes Sociais e ajude a levar informações relevantes a quem realmente precisa delas.

Se você ficou com alguma dúvida ou simplesmente quiser contribuir para o tema, deixe um comentário logo abaixo e eu prometo que te respondo!!

tito paes de barros neto

Boa sorte!

 

Transtorno de Estresse Pós Traumático (TEPT)

Quando Augusto parou o carro na frente da casa de Silvia por volta de meia-noite, para deixá-la em casa naquele sábado, ele jamais poderia imaginar que seriam vítimas de uma ação violenta que os levaria a sofrer de transtorno de estresse pós traumático, (TEPT).

Ambos foram surpreendidos por quatro homens armados e o casal foi separado, cada um seguiu com uma dupla de assaltantes.

Na verdade tratava-se de um sequestro relâmpago, mas durou toda a madrugada.

Augusto foi ameaçado de morte o tempo todo caso não desse o montante de dinheiro que queriam.

Não só, como também lhe diziam que iriam matar Silvia.

Esta também foi ameaçada de morte e, depois, foi estuprada. Infelizmente.

O casal acabou sendo solto pelos criminosos, mas três meses depois começaram a apresentar sintomas estranhos.

Ele ficou revoltado, irritado, com desejo de matar aqueles homens.

As cenas das ameaças retornavam constantemente à sua mente como se aquilo estivesse sendo revivido.

transtorno de estresse pós traumático

Ela ficou apavorada e tinha pesadelos constantes acerca da violência sexual que sofreu, além de também manifestar revivescências diurnas do trauma que sofreu.

Com o tempo, além da revolta, do medo e da dor, ambos foram se sentindo anestesiados afetivamente e ficaram apáticos.

Ela, mais do que ele. Ele sentiu-se culpado com o que aconteceu a ela.

Ela, apreensiva e sobressaltada.

Eles se distanciaram muito um do outro.

Foi um estrago muito grande o que este sequestro relâmpago causou.

Histórias como estas são comuns.

E os sintomas apresentados pelo casal fazem parte do quadro clínico do transtorno de estresse pós traumático, o TEPT.

Abaixo se encontram os sintomas descritos nestes traumas, que surgem depois de decorrido algum tempo do trauma, às vezes semanas ou meses.

Sintomas do Transtorno de Estresse Pós Traumático

  • Exposição a um evento traumático: vivenciar ou testemunhar situações que envolvam morte ou ferimento grave ou ameaça à integridade física própria ou de outros, levando a uma resposta de medo, impotência ou horror.
  • Revivescência persistente do trauma: lembranças aflitivas e intrusivas, através de imagens, pensamentos, episódios de flashbacks e sonhos aflitivos.
  • Sofrimento físico e psicológico quando da exposição a situações que lembrem algum aspecto do trauma.
  • Esquiva persistente de estímulos associados com o trauma e torpor emocional: locais, conversas, pensamentos e pessoas que lembrem o trauma são evitados.
  • Distanciamento emocional, isolamento social, diminuição do interesse, incapacidade para recordar aspectos relativos ao trauma, diminuição do afeto (capacidade de sentir), falta de expectativas em relação à vida.
  • Sintomas persistentes de excitabilidade aumentada: insônia, irritabilidade, dificuldade para se concentrar, hipervigilância e sobressaltos.
  • A duração do quadro deve ser de pelo menos um mês.
  • O trauma acarreta prejuízo significativo na vida profissional, de estudante ou social.

Entre outros aspectos importantes que merecem ser citados aqui, vou abordar dois.

O primeiro é o da vitimização que acomete algumas pessoas que passam por estas experiências que envolvem traumas.

transtorno de estresse pós traumático

A questão que surge é: “por que eu? Por que isto foi acontecer justamente comigo?”

Bem, você pode ficar se lamentando por isto pelo resto de sua vide, se quiser.

Ou pode tentar se ajudar.

E nas próximas linhas darei as diretrizes para que possa fazê-lo.

O segundo aspecto é o de culpa que muitas pessoas traumatizadas carregam junto com elas.

“Se eu não tivesse feito assim… se eu tivesse feito assado”.

Isto não vai mudar o curso do que aconteceu.

Nem de verdade, nem na sua cabeça.

Se estou com Transtorno de Estresse Pós Traumático, como devo proceder?

Se for possível, procure ajuda especializada.

Algumas pessoas com transtorno de estresse pós traumático encontram-se deprimidas e precisam de tratamento com antidepressivos.

Se não for este o seu caso, prossiga na leitura.

transtorno de estresse pós traumáticoO que vou descrever agora é um procedimento simples de ser feito.

Nada mais é do que a exposição às memórias traumáticas.

Exposição às memórias traumáticas

Isto pode ser feito de duas maneiras:

1ª) Contar o que aconteceu com você para o maior número de pessoas possível, com o maior número de detalhes que for possível, e quantas vezes puder fazê-lo com cada uma delas.

Escolha pessoas com quem possa contar.

Isto inclui amigos, bons amigos, e parentes próximos.

Desta forma você vai se expor ao que aconteceu com você de forma sistemática e repetida, o que vai levar à extinção da ansiedade ligada ao evento traumático.

Caso você não disponha de um contingente de pessoas suficiente para isto, vá para o plano B:

2ª) Compre um pequeno gravador digital, há muitos no mercado, alguns deles a preços convidativos, que gravam mais de quinhentas horas, e faça o mesmo que você faria se pudesse contar com as pessoas: conte as suas experiências traumáticas para o gravador, por assim dizer, com detalhes.

E depois, ouça o conteúdo destas gravações por pelo menos uma hora ou até enjoar.

Isto pode levá-lo a ouvir estes conteúdos muitas vezes.

E é exatamente isto que deve ser feito.

Caso haja interesse, leia o capítulo “Traumas de efeito prolongado”, do livro Sem medo de ter medo.

Quando for fazer a exposição, e isto vale para as duas alternativas citadas acima e, se for possível, separe as cenas em três grupos: as menos difíceis, as de dificuldade média e as mais difíceis.

Comece a se expor às cenas menos difíceis.

Quando não sentir mais desconforto e ansiedade, seja contando, seja ouvindo a gravação, passe para as cenas de dificuldade média, e assim por diante.

Você vai poder perceber a diferença entre o antes e o depois.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto