Tratamento para Transtornos de Ansiedade em São Paulo

Ansiedade no Relacionamento

Até que ponto a ansiedade no relacionamento pode atrapalhar a vida de uma pessoa?

ansiedade no relacionamento

De diversas maneiras, eu diria.

Desde uma ansiedade que não seja patológica, isto é que não configure um transtorno de ansiedade, até a ansiedade presente nos transtornos fóbicos.

Há pessoas inseguras, que vivem com um repertório estreitado pela sua própria ansiedade.

Que caem em verdadeiras arapucas criadas por elas mesmas.

Por exemplo, um homem que sempre que estava na companhia de sua namorada perguntava repetidamente, dezenas de vezes se ela o amava.

Ele era uma pessoa insegura e por isso usava o expediente de buscar nela o reasseguramento de seu amor.

É claro que isto provocou um desgaste no relacionamento com o comportamento incessante da parte dele de perguntar.

Acarretando muita irritação por parte dela.

Mas este é um caso simples, em que uma pequena mudança de comportamento foi implantada, com o objetivo de reduzir a frequência que ele perguntava: “Você me ama?”

Em contrapartida, os transtornos de ansiedade podem trazer complicações.

Há pessoas que em função da ansiedade, sequer conseguem se relacionar com as pessoas.

É o caso das pessoas que sofrem de fobia social.

E que ficam retraídas diante das pessoas ou que são excessivamente tímidas.

Nas situações de flerte, muitas vezes não conseguem balbuciar uma única palavra.

Ou se tornam monossilábicas, passando a impressão de que não estão interessadas em conversar, o que não é verdade.

A verdade é que a ansiedade no relacionamento com as pessoas traz um prejuízo importante na vida dessas pessoas, com limitações em diferentes áreas de suas vidas

ansiedade no relacionamento

Voltando ao tema da ansiedade social, alguns fóbicos sociais tomam atitudes contra-fóbicas, isto é de enfrentamento extremo de seus temores.

E acabam metendo os pés pelas mãos:

Uma vez um fóbico social conseguiu conversar com uma moça que ele havia gostado.

E 40 minutos depois de iniciada a conversa, ele a pediu em casamento.

Nem é preciso dizer que ele nunca mais viu esta moça.

A ansiedade no relacionamento, no entanto, não se limita aos casos de fobia social.

Há pessoas que se preocupam demais com o outro, o que gera ansiedade.

ansiedade no relacionamento

Pessoas que têm pânico com agorafobia, costumam tornar-se dependentes de seus companheiros não conseguindo fazer mais nada sozinhas.

Cria-se um vínculo de dependência que desgasta demais a relação.

Apesar disso há pessoas que gostam que seus cônjuges agorafóbicos tornem-se dependente deles, ficando aflitas quando ele melhoram com o tratamento, tornando-se mais independentes.

Os que tem fobias específicas, podem impôr limitações não só à própria vida, como à toda família.

Alguém com fobia de voo pode se excluir de uma viagem de férias. Ou fazer toda família desistir da viagem.

Uma pessoa com fobia de baratas pode se recusar a ir a um sítio a convite de amigos por causa de seu pavor desses bichos.

Bem, se eu continuasse a escrever as inúmeras maneiras que a ansiedade pode atrapalhar os relacionamentos, isto não iria mais ser um artigo e sim um livro.

Se você precisar de ajuda nas áreas de psiquiatria ou psicoterapia, estarei disponível para atendê-lo em meu consultório.

Caso resida em outro local, procure ajuda especializada em sua cidade ou estado.  Infelizmente não é possível fazer consultas pela internet.

tito paes de barros neto

Fobias Estranhas e Raras Também Existem

Fobias estranhas costumam causar ainda mais perplexidade que as fobias comuns.

Tem gente que tem pavor de botões. Mas as fobias estranhas e raras não se limitam a ocorrências como estas.

Ainda que sejam estranhas, estas fobias não deixam de ser transtornos de ansiedade, mais especificamente transtornos fóbicos.

fobias estranhas

Veja abaixo a relação de algumas destas fobias:

  • Ablutofobia: medo de tomar banho ou usar qualquer método para se higienizar. Isso pode acarretar prejuízo em qualquer tipo de relação que envolva o contato interpessoal, como trabalho e vida social. Entretanto, é na vida amorosa que ocorre o maior prejuízo,  por motivos óbvios
  • Somniofobia: medo de adormecer e não acordar mais
  • Ergofobia: medo de trabalhar ou do ambiente de trabalho. Pode ser medo de cometer erros ou de interagir com as pessoas, como na fobia social
  • Nomofobia: medo ou esquiva de se comunicar com os outros usando aparelhos eletrônicos – telefone, radio, internet, skype
  • Filofobia: medo de amar, de ter um relacionamento amoroso, da rejeição
  • Heliofobia: medo do sol, dos raios solares. Pessoas com este tipo de fobia evitam a luz solar e só saem de casa à noite
  • Caetofobia: medo de cabelos e pelos do próprio corpo
  • Arquibutinofobia: pavor de certos alimentos, como produtos pastosos ou que tenham casquinhas, devido ao medo de que grudem no céu da boca
  • Afefobia: medo de ser tocado
  • Ecofobia: medo de eletrodomésticos
  • Coulrofobia: pavor de palhaços
  • Decidofobia: medo de tomar decisões
  • Cronofobia: medo do tempo passar. É mais frequente em pessoas idosas
  • Fagofobia: Medo de deglutir e engasgar com os alimentos
  • Cremetofobia: Medo de dinheiro
  • Tripofobia: Medo de buracos

As fobias estranhas, embora curiosas e, por vezes, engraçadas causam sofrimento acentuado nos seus portadores, devendo, por esta razão, serem tratadas adequadamente

É claro que fica difícil de abordar todas as fobias estranhas e raras que se encontram na face da terra. Isso poderia incluir a fobia de botões, de tomadas e outras que a nossa imaginação ainda não alcançou.

É preciso saber ou lembrar que estas fobias são tratadas da mesma maneira que as outras fobias.

Não existem medicamentos psicotrópicos que tenham eficácia no tratamento destas fobias.

terapia comportamental, sobretudo a técnica da exposição é a melhor forma de se tratar as fobias (vide os artigos publicados sobre fobias específicas neste blog).

Importante lembrar que a , isto é, o enfrentamento das situações temidas e evitadas, se dá de uma forma gradual.

Vou exemplificar o que estou dizendo citando a ablutofobia, que é o medo de tomar banho. A pessoa deve começar a se expor comedidamente.

Assim, o primeiro passo pode ser lavar um dos dedos da mão e ir progredindo na lavagem conforme a ansiedade vai diminuindo, até ficar igual a zero. Na progressão da exposição, lavar uma mão, o antebraço, o braço e assim, progredindo aos poucos, para o corpo todo.

Se você precisar de ajuda nas áreas de psiquiatria ou psicoterapia, estarei disponível para atendê-lo em meu consultório. Caso resida em outro local, procure ajuda especializada em sua cidade ou estado.  Infelizmente não é possível fazer consultas pela internet.

 

tito paes de barros neto

Insegurança e Paranóia no País do Absurdo

Insegurança e paranóia são fatos que permeiam a vida das pessoas neste país.

Neste absurdo país.

E isto tem raízes na nossa própria história.

insegurança e paranoia

Apesar  de vinte e oito anos terem transcorrido,  e eu sobrevivido,  lembro bem do plano Collor.

Aquele em que o dinheiro dos brasileiros foi sequestrado.

Lembro de haver atendido em meu consultório a mãe de um colega, médico, que chegou carregada pelos familiares.

Ela se encontrava profundamente deprimida e com idéias de ruína e  de suicídio.

Pois o dinheiro  que economizou durante a vida, para a sua velhice, foi tomado de sopetão quando o plano  Color  entrou em vigor.

Surpresas desagradáveis como essas  têm acontecido com frequência na vida dos brasileiros gerando insegurança e paranóia

Na época, eu tinha um consultório de atendimento quase que exclusivo de psicoterapia.

Que foi varrido do mapa porque as pessoas não tinham mais dinheiro para se submeter a uma psicoterapia.

Foi um período de muito medo, insegurança e paranóia.

Aliás, viver com insegurança  por causa de planos como o Collor,  Sarney e outros que geram impostos e taxas têm sido uma constante.

Como o imposto viagem da  Dilma Russef, a Mulher Sapiens, que já se tornaram banalizados na nossa sociedade.

No entanto, não deveríamos nos acostumar a isso.

Nem com a criminalidade entre os políticos, governantes e outros homens da vida pública.

Afinal, é possível se aceitar o que faz Gilmar Mendes?

Isso mesmo, aquele que mandou soltar três vezes  Jacob Barata, um bandido, mesmo depois de um juiz do RJ ter ordenado sua prisão.

Temer: auto-explicativo.

Eduardo Cunha e Sergio Cabral: doutores em desvio do dinheiro público.

Há alguns séculos ambos teriam sido queimados em uma fogueira, em praça pública.

É claro que que não sou partidário desses métodos. Mas tem muita gente deixando o Brasil.

insegurança e paranoia

No entanto, acredito que  a corrupção e crimes afins devam ser combatidos com a mudança de leis.

Penas duras, muito duras, com longos períodos de encarceramento e sem alívio da pena, poderiam diminuir, e muito, o crime entre os homens de vida pública.

Nada de comutar as penas por serviços à comunidade, pois isso não dá certo.

Será possível se viver tranquilo um dia?

Tenho esperança que sim.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

Terror nas Escolas Públicas

O terror nas escolas públicas ocorre  tanto dentro como fora da escola por ação de gangues de alunos que entram em conflito entre eles e de alunos que atentam contra  professores.

A princípio, ela não disse nada. Olhava psra mim com uma expressão assustada. E continuava  sem falar

Depois, disse que solicitou ao aluno que fizesse o exercício proposto em classe.

E que ele a agarrou pelo pescoço e a manteve suspensa  com a mão em seu pescoço contra a parede, ameaçando-a de morte.

Esta paciente foi atendida por mim no Serviço de Psiquiatria do Hospital do Servidor Público Estadual.

Depois  do ocorrido não conseguia mais trabalhar e tinha constantes pesadelos e revivescências com o trauma que sofreu.

Terror nas escolas públicas – Fato raro?

terror nas escolas públicas

Absolutamente.

Pode-se dizer que isto é  muito mais comum do que supõe o nosso conhecimento.

Uma outra professora disse a um aluno que entregasse o trabalho, pois caso contrário, ficaria com zero e ele incendiou o carro dela estacionado próximo à escola.

Alunos  armados, imtimidadores, que trazem drogas para comercializar  dentro da escola, caracterizando o tráfico, são outros problemas que encontramos.

Um verdadeiro terror.

Tive a oportunidade de tratar muitos professores com transtorno de estresse pós-traumático.

Como eles não podiam ficar sem trabalhar, não podiam se demitir, ficando sem emprego, lutavam para conseguir uma licença-saúde.

Mesmo porque a maioria destas pessoas não reuniam mínimas condições para trabalhar.

terror nas escolas públicas

Pessoas que estavam com trasnstorno de estresse pós-traumático, ou com transtorno de adaptação.

Traduzindo: no transtorno de estresse pós-trsumático a pessoa revive a situação traumática através da revivescência das cemas traumáticas via flashbacks, que é o sonhar acordado, e os pesadelos aterrorizantes.

No transtorno de adaptação, os flashbacks e pesadelos não estão presentes.

Mad o sofrimento, com sintomas de depressão e ansiedade, é acentuado

Com frequência, sintomas depressivos, como a tristeza e a perda do prazer em tudo ou quase tudo estão presentes.

Além do transtorno de pânico que pode manifestar-se como um transtorno comórbido .

Estes são os possíveis desfechos da violência que ocorre nas escolas públicas.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

 

Qualidade de Vida

Qualidade de vida é algo que todos nós temos direito.

qualidade de vida

É algo como respirar o ar livre de impurezas e de toxinas.

Infelizmente não é assim que as coisas acontecem.

Pois  vivemos em um país em que a classe de políticos parece pouco voltada para a qualidade de vida

Ao contrário, parecem estar preocupados única e exclusivamente com as suas próprias qualidades de vida.

Estou discorrendo sobre  o assunto porque qualidade de vida é algo que faz parte naturalmente da vida de pessoas que vivem em alguns países  da Europa.

Particularmente países nórdicos como a Dinamarca,  a Noruega e a Suécia.

.

Qualidade de vida é tudo que a gente precisa para viver bem

Qualidade de vida é poder dirigir em avenidas e ruas que não tenham buracos.

Qualidade de vida é viver sem medo:

  • De perder o emprego e não conseguir outroqualidade de vida
  • De ser assaltado
  • De ser morto por criminosos
  • De não conseguir pagar  as contas
  • De ficar doente e  o seguro-saúde não cobrir as despesas com hospitais e médicos
  • De que algo ruim aconteça  com os  seus filhos, por exemplo, um sequestro
  • De viver a vida, de sentir depressão, angústia

Garanto que você sente medo na maioria dos itens citados por mim,  senão em todos eles.

E por quê isto acontece?

Porque a verba que deveria ser usadas em prol da sua qualidade de vida é desviada pela própria classe política.

Que sempre busca tirar proveito próprio desta situação.

No Brasil, a corrupção impera. A percepção é a  de que não existem políticos  que não sejam corruptos.

Embora isso não seja verdade. Trata-se de um viés da nossa percepção.

É claro que existem políticos altruístas.

Recentemente tivemos casos escabrosos de corrupção no Brasil, protagonizados por Sérgio Cabral, Eduardo Cunha, Aécio Neves e grande elenco.

Todos agraciados na categoria Cara-de Pau.

qualidade de vidaNa Dinamarca, país que selecionei algumas fotos, é possível se inferir, através das imagens, que a qualidade de vida seja excelente.

Outro aspecto diretamente relacionado à qualidade de vida, é o fato de que naquele país não existe corrupção.

Há alguns séculos, foi implantado um sistema com leis duríssimas para os corruptos.

O resultado foi que a corrupção caiu para ZERO.

No Brasil, juízes mandam prender bandidos e magistrados da suprema corte, como Gilmar Mendes, ordenam a sua soltura.

Precisamos de mais Dinamarca no Brasil.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

 

Livros de Psicologia e Psiquiatria I

O papel dos livros de psicologia e psiquiatria.

Há 20 anos escrevi meu livro intitulado Sem medo de ter medo. Um guia prático para ajudar pessoas com pânico, fobias, obsessões, compulsões e estresse.

Livros de Psicologia e PsiquiatriaFoi muito estimulante e envolvente pois eu sabia que poderia ajudar pessoas com problemas de ansiedade através do livro.

O livro hoje encontra-se na 7ª edição, sendo um fenômeno editorial. E tem ajudado muita gente ansiosa.

Pois ensina as pessoas a lidarem com a ansiedade, enfrentando os seus temores, com o uso de técnicas de fácil aplicação.

Não se compara aos livros do Paulo Coelho, mas seus livros são de cunho mágico e místico. E isto não é ciência.

Transtorno bipolar

Há alguns anos um colega, também psiquiatra, comentou comigo que havia lido um livro muito interessante sobre o transtorno bipolar.

Livros de Psicologia e Psiquiatria

O livro era intitulado Uma Mente Inquieta, de autoria de Kay Jamison, uma psicóloga e psicofarmacologista da Universidade da Califórnia.

Este colega frisou que era uma obra que poderia ajudar muitas pessoas com transtorno bipolar, uma vez que a autora sofre de transtorno bipolar.

E escreveu um livro em que estabelecia uma relação de muita empatia com os seus leitores com transtorno bipolar.

Há muitos livros de psicologia e psiquiatria, mas são raros os que realmente atingem o seu objetivo.

Na verdade, Kay Jamison sofre de transtorno bipolar desde a sua adolescência e ao escrever este livro, deu formato de uma autobiografia a ele.

É um livro que traz compreensão aos leitores bipolares sobre a natureza do transtorno bipolar, orientações sobre o tratamento e psicoterapia.

Depressão

Livros de Psicologia e PsiquiatriaAo escrever seu livro Perto das Trevas, William Styron faz um contundente relato sobre seu sofrimento com a depressão. Por se tratar de um romancista, torna-se notável a capacidade dele de expressar com a alma o sentimento de depressão.

É sua a frase “A depressão é a morte temporária da alma.

É um livro que ajuda as pessoas a entender o que se passa com elas quando deprimidas.

Em breve voltarei com “Livros de Psicologia e Psiquiatria II.”

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

 

Angústia e Ansiedade Social

Angústia e ansiedade social  são problemas que caminham juntos, constituindo assim uma comorbidade.

Falamos em comorbidade quando dois ou mais transtornos estão presente na mesma pessoa.

A angústia se caracteriza por opressão e dor no peito, aperto na garganta, sensação de sufocamento e sintomas de depressão.

Angústia e Ansiedade Social

Um sentimento de agonia emocional também pode estar presente, além de um sentimento de vazio e de frio interno.

Na ansiedade social, o sintoma nuclear é o medo de ser avaliado negativamente pelos outros.

No dia a dia ocorre dificuldade de escolher ou de tomar decisões.

Ainda que sejam de caráter simples e que não tenham impacto na vida das pessoas com angústia.

O questionamento do sentido de sua existência é comum e, não raro, as pessoas ficam caladas e isoladas socialmente.

A perda da capacidade de lidar com o cotidiano faz parte do quadro clínico de quem se encontra angustiado. E também com ansiedade social

Sentindo desespero e incerteza, estas pessoas se vêem num beco sem saída. O isolamento pode ocorrer tanto pela angústia quanto pela ansiedade social.

Elas temem as consequências das decisões que tomam. E sentem-se muito inseguras ao ter que tomá-las.

Quando alguém estiver angustiado com dor e aperto no peito,  um clínico deve ser procurado para que seja avaliada uma possível cardiopatia.

Opressão no peito, aperto na garganta e medo de ser avaliado fazem parte do quadro clínico da comorbidade angústia e ansiedade social

Os sintomas de angústia estão sobrepostos aos de depressão.

Na verdade, muitos dos que se encontram angustiados também estão deprimidos.

Dá vontade de sair correndo e deixar tudo de ruim para trás. No entanto esta  estratégia não funciona.

Simplesmente pelo fato de que ao empreender esta fuga atabalhoada, a pessoa que sofre de angústia leva sua cabeça junto com ela.

Angústia e Ansiedade Social

Por exemplo, uma pessoa que esteja angustiada e deprimida pode resolver viajar para um lugar bonito.

E ao se encontrar lá, não sentir nenhum prazer.

Pelo contrário, ela pode experimentar uma dolorosa sensação de agonia por não estar conseguindo se divertir, que se soma aos outros sintomas, que a faz querer sumir de lá.

É importante lembrar que, enquanto na angústia as preocupações estão voltadas para o presente, na ansiedade elas estão direcionas para o futuro.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

Fobia e Esquiva: Consequências do Pavor

Fobia e esquiva compõem o binômio que caracteriza os transtornos fóbicos ou fobias.

fobia e esquiva

Fobias são transtornos de ansiedade cuja principal característica é o  comportamento de evitar determinados objetos e/ou situações, também conhecido como esquiva fóbica.

Fobia e esquiva: é preciso mudar este comportamento

Para que este transtorno seja reconhecido como uma fobia não basta que a pessoa sinta medo ou pavor.

Ou que tenha o comportamento de esquiva ou evitação. Estas características são necessárias para que seja feito o diagnóstico.

fobia e esquiva

Fobia e esquiva estão sempre juntas.

No entanto, para que seja uma fobia de verdade, deve haver um prejuízo importante em pelo menos uma das áreas da vida de pessoa: trabalho, vida social, lazer ou vida amorosa.

Fobia e esquiva: a verdadeira fobia apresenta comportamento de esquiva e prejuízo importante em alguma área da sua vida

Por exemplo, uma pessoa que tenha medo de baratas, ao se defrontar com uma delas, saia correndo atrás da barata com um inseticida, não tem fobia de barata.

Isso para o fóbico é algo impensável. Ele não é capaz de enfrentar a barata.

Quem diz que tem fobia de barata e é capaz de matar uma delas, não tem fobia de barata.

O verdadeiro fóbico é capaz de subir em uma geladeira para ficar longe do inseto.

Ou, se uma barata estiver “passeando” por dentro de sua roupa, pode ser capaz de se despir em público para se livrar dela.

Isso  sim é fobia .

Curiosamente, pessoas com fobias circunscritas a determinados objetos e situações – as chamadas fobias específicas, dificilmente procuram tratamento.

A maioria das pessoas com fobia e esquiva não procura tratamento

A busca de ajuda especializada ocorre quando surgem transtorno comórbido, como a depressão ou um outro transtorno, como o transtorno pânico.

fobia e esquiva

Paradoxalmente, as fobias podem trazer grandes  limitações para quem sofre destes transtornos.

Um trabalho de psicoeducação com a descrição da natureza do quadro.

E as consequências da falta de tratamento poderiam evitar as complicações, como a cronificação e as comorbidades.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

Pânico com Sintomas de Depressão

No transtorno de pânico com sintomas de depressão, é importante ressaltar algumas questões que podem ser importantes no seu tratamento.

pânico com sintomas de depressão

Os sintomas de depressão podem agravar o pânico.

Particularmente, neste caso, a depressão é secundária ao transtorno de pânico.

Isto é, ela ocorre depois que o pânico já se encontrava presente.

No entanto, há pessoas que têm depressão, às vezes por anos a fio.

E que em um dado momento começam a manifestar ataques de pânico.

pânico com sintomas de depressão

Tanto no primeiro como no segundo caso,configura-se a comorbidade entre os dois transtornos.

Este ano, ao escrever alguns capítulos de  um livro sobre comorbidades em transtornos de ansiedade,  pude observar a elevada comorbidade entre transtornos de ansiedade e depressão.

Fiquei impressionado com alguns números, como a comorbidade entre a fobia social e a depressão que chega a ocorrer em 80% dos casos.

Embora o tema deste post seja  pânico e depressão comórbidos, isto também ocorra, ainda que em uma proporção menor.

Transtorno de pânico com sintomas de depressão é uma comorbidade comum afetando um grande número de pessoas

Por vezes, uma pessoa que sofra de transtorno de pânico e que evolua com um quadro de depressão, é importante lembrar que que esta depressão pode ser uma depressão bipolar.

Ou uma  depressão unipolar com sintomas psicóticos.

Nos dois casos citados acima, o tratamento mudo em função do tipo de depressão que se encontra presente no quadro de comorbidade.

Depressões bipolares necessitam de estabilizadores de humor, como o lítio, pois caso contrário, há uma piora do quadro da bipolaridade, com piora da  depressão.

Na depressão psicótica faz-se necessário o uso de antipsicóticos, pois os pacientes frequentemente apresentam alucinações e delírios.

Estes que devem ser tratados como parte do quadro clínico.

Uma das complicações conantess nestes transtornos é o surgimento de problemas relacionados  ao abuso de álcool e drogas.

Que pode ser visto como mais um agravante evolutivo nestes transtornos.

Ter pânico é um problema de saúde mental. Ter pânico e depressão é um problema mais complicado.

Se houver abuso de álcool e de drogas, a situação se complica ainda mais.

Assim são as comorbidades, que pioram o curso e o prognóstico dos transtornos mentais.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

 

Depressão Profunda

Depressão profunda é uma forma grave de depressão. A depressão por si só já é um problema sério de saúde mental atingindo um grande número de pessoas.

depressão profunda

Estima-se que cerca de 20% das pessoas tenham ou irão ter um episódio depressivo nas suas vidas, independentemente da gravidade do episódio.

Pensar que uma em cada cinco pessoas tenham ou irão ter um episódio depressivo parece assustador.

Agora, some-se a isto alguém que não dorme, encontra-se com lentidão, tem muita dificuldade de pensar, não se alimenta, apresenta acentuada perda de peso, e vive com ideias ou planos de cometer o suicídio.

Esta é a depressão profunda, transtorno que necessita atenção especial da família e do profissional responsável pelo seu tratamento.

Não esquecendo dos antidepressivos como um todo, lembro que existem antidepressivos que têm uma ação mais incisiva nos quadros mais graves de depressão.

Não adianta chamar a pessoa com depressão profunda de preguiçoso ou de vagabundo.

Este é um dos equívocos mais cruéis que as pessoas podem cometer.

A depressão profunda requer extrema atenção por parte da família e do psiquiatra para que o suicídio seja evitado

depressão profunda

Desta forma evita-se que as estatísticas sobre a prevalência do suicídio, que se encontra entre as dez maiores causas de morte no mundo , aumentem ainda mais.

Qualquer alusão sobre suicídio feita por quem esteja sofrendo de  um episódio depressivo deve ser levada a sério.

Se for um quadro de depressão profunda, deve  haver atenção redobrada.

Jamais fazer comentários do tipo “Fulano deve estar querendo chamar a atenção…”  Isso nunca.

Isso vale para todos, inclusive médicos.

Tive a oportunidade de testemunhar comentários inaceitáveis de alguns médicos (felizmente a minoria), a respeito de pacientes que tentaram o suicídio mas não atingiram o seu objetivo.

Comentários do tipo “Da próxima vez que você quiser se matar, pule da janela do seu apartamento.”

Isso é simplesmente criminoso. Está previsto na lei que você não pode incentivar ou induzir uma pessoa a cometer o suicídio.

Ainda a este respeito, é sabido que a maioria das pessoas que tentam o suicídio não morrem.

E isto ocorre por falta de conhecimento daquilo que é letal.

Na depressão profunda, ideação suicida, planos suicidas, gestos suicidas e tentativas de suicídio podem ser a regra e não a exceção.

Há pessoas que tomam soda cáustica tencionando morrer e o que acontece é que ficam com o esôfago destruído.

Outras, ao tomarem comprimidos, ao invés de morrer, ficam com sequelas neurológicas graves.

Alguns, ao pular pela janela do apartamento, encontram a fiação elétrica e sofrem uma queda que não é fatal.

Mas que pode deixá-los tetraplégicos.

Pessoas que tentam o suicídio e falham no seu intento,  frequentemente desenvolvem pensamentos do tipo “Nem pra me matar eu tenho competência.”

Depressão Profunda é um quadro grave que requer tratamento especializado

Hoje em dia, com antidepressivos modernos e eficazes, as chances de remissão dos casos de depressão profunda são bem melhores.

Além disso, há um tratamento biológico extremamente eficaz para depressões graves com risco de suicídio: a eletroconvulsoterapia ou ECT.

depressão profunda

Tive a oportunidade  de tratar pacientes que se encontravam à beira do suicídio.

E que responderam muito bem a este tratamento, retomando sua vida como era antes da doença.

A psicoterapia também é muito importante para os pacientes que sofrem de depressão profunda.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto