Tratamento para Transtornos de Ansiedade em São Paulo

Depressão Psicótica: Culpa e Hipocondria 

Depressão psicótica é um transtorno depressivo de maior complexidade e de manejo mais difícil que outros tipos de depressão.

Ela ocorre em cerca de 15% dos casos de depressão, e pode ser considerada uma manifestação mais grave que a depressão não psicótica.

depressão psicótica

A depressão psicótica se distingue da depressão não psicótica pois além do humor deprimido, definido por tristeza intensa e perda do prazer em tudo ou quase tudo, manifesta sintomas que ocorrem nos transtornos psicóticos.

Sintomas como alucinações, delírios, solilóquios e mussitação, hipocondria e risco de suicídio maiorque levam a uma necessidade de intervenção imediata.

A depressão psicótica é uma forma grave de depressão

Suas manifestações clínicas incluem:

Delírios: são alterações do conteúdo do pensamento que ocorrem com frequência na esquizofrenia e no transtorno delirante.

Trata-se de ideias cujo conteúdo não é compartilhado pelas outras pessoas. Por exemplo, alguém que afirma ser um novo Cristo que tem uma missão a realizar.

Eles também ocorrem na depressão psicótica, mas diferem dos outros delírios por seus conteúdos mais compreensíveis, mais maleáveis.

Abaixo, encontram-se exemplos de  delírios que ocorrem na depressão psicótica.

  • Culpa: uma mulher que se culpa, por exemplo, de ter sido uma péssima mãe (sem que isto tenha de fato ocorrido)
  • Ruína: ideias de ter perdido tudo, dinheiro, amigos, trabalho
  • Punição: a pessoa tem uma crença de esar sendo punida
  • Morte: alguém que acredita estar morto
  • Pessimismo, negativismo
  • Hipocondria: ideias de estar com uma doença incurável, apesar de o médico não confirmar estas ideias, e de os exames estarem normais.

Há casos extremos de delírios hipocondríacos em que a pessoas acredita que seus órgãos internos como fígado, intestinos, baço, etc estão apodrecendo.

Este quadro é conhecido como Síndrome de Cotard.

As alucinações se caracterizam pela percepção sem que haja um objeto real objeto. Podem ser, sobretudo.

depressão psicótica

  • Auditivas: a pessoa ouve vozes de caráter acusatório, sem que haja ninguém por perto
  • Visuais: visões de pessoas mortas ou dele mesmo, morto sem que haja qualquer indício na realidade.

Ilusões também podem estar presentes na depressão psicótica, e se caracterizam pela falsificação da percepção de um objeto real (ex: ao ver um cobertor e um travesseiro no sofá da sala, acreditar que é seja uma pessoa)

Solilóquios caracterizam-se pelo comportamento de falar sozinho e a mussitação, por murmurar sozinho.

Ambos são indícios claros de que a pessoa esteja ouvindo vozes, caracterizando assim as alucinações auditivas.

Se eu estiver com sintomas de depressão psicótica, o que devo fazer?

Procurar, sem maiores delongas, um psiquiatra, por se tratar de um problema grave de saúde mental.

Os antidepressivos são usados no tratamento da depressão psicótica, muitas vezes associados a drogas antipsicóticas, dependendo da gravidade dos delírios e/ou alucinações presentes no quadro clínico.

A psicoterapia é útil juntamente com os outros tratamentos citados acima. Jamais isoladamente.

Nos casos em que a gravidade é extrema, a eletroconvulsoterapia torna-se necessária.

Uma internação muitas vezes  torna-se imprescindível, sobretudo quando há ideação ou planos de cometer suicídio.

***

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

23 thoughts on “Depressão Psicótica: Culpa e Hipocondria 

  1. Ola, Dr. Tito, tudo bem? A depressao psicotica e o tipo mais grave de depressao? Qualquer pessoa que nao se cuida pode ter? E se ela se tratar pode levar uma vida normal depois? Conheço uma pessoa que teve depressao pos-parto e chegou ao ”fundo do posso” nao buscou tratamento e teve delírios e mais alguns sintomas do tipo. Isso ja faz quase 20 anos e inclusive a uns 15 ela nem remedio toma mais, nao teve recaida ate hoje e vive uma vida normal. E uma pessoa proxima, e isso sempre me instigou. Desde ja, muito obrigado Dr.!

    • Olá Felipe. Remissão esponânea de casos mais grave como o que vc mencionou raramente acontece. É mais comum a cronificação do quadro. Se eu fosse vc, consultava um psiquiatra par uma avaliação.

  2. Olá, Dr. Tito. Não conhecia a eletroconvulsoterapia, conforme citou no artigo, para o tratamento da depressão psicótica. Vou procurar entender melhor sobre ela. Muito obrigada pela dica! Um forte abraço!

  3. Boa tarde dr,fui diagnósticada com depressão psiticotica grave pela psiquiatra, fui as consultas com psicólogo estão indo bem mais não tenho mais interesse em ir tenho medo de sair de ksa nem estou trabalhando ela me afastou por dois meses ouço vozes vejo pessoas conversando tenho a sensação de está sendo perseguida por alguém uma garota con versa comigo quer ser minha amiga eu converso com ela ,tomo vários remédios mais não consIgor dormi direito quando vou dormi e quase duas da manhã e logo acordo e questão de hrs uma duas ou três hrs de sono ..já estou quase voltando ao trabalho mais estou com medo..será que isso é só depressão mesmo?

    • Olá Cristiane
      Seu quadro é o que vc descreve na primeira linha da sua msg. É preciso tratar desse problema com carinho e dedicação.

  4. Sofri abuso sexual quando tinha 6 anos, durou até meus nove anos. Meu pai me agredia e minha mãe, durante a separação entrou em depressão. Me evitando ao máximo.

    Quando fiz 11 anos, entendi o que ocorreu comigo na minha infância. Então comecei a definhar, lentamente e dolorosamente.

    Depois de quatro anos, agora com 15 anos. Procurei ajuda, na mesma semana em que procurei por ajuda, um antigo amigo de meus pais voltou de viagem, um amigo que de certa forma me viu crescer. Ele tentou ter relações comigo, naquela noite tive um ataque de pânico, juntamente com uma tentativa de sufocamento, vindo de mim mesma, e vozes gritando o quanto sou inútil.

    Contei para meus pais, com auxílio da psicóloga e resolvemos o problema. Esse problema, me senti melhor. Mas, devido á alguns palavras vindas de minha mãe decidi não ir mais para a psicóloga.

    Depois de 6 meses – semana passada – tentei me suicidar, vozes gritavam que era o certo a se fazer. Porém, uma grande amiga, me disse que eu era doente. Então, entendi, eu sou doente.

    Não sei o que eu tenho, peço sua ajuda e apoio. Não pretendo contar aos meus pais sobre o meu passado. Aliás a culpa do que ocorreu foi totalmente minha, eu incentivei cara, eu… Me ajude. Por favor.

    Tenho 15 anos e estou gritando ni vácuo por socorro

    • Prezada Ianu
      Prucure ajuda novamente, e procure não ouvir o que sua mãe diz. Procure um psiquiatra pois isso é sério

  5. Olá, Doutor ! No caso da pessoa que tem depressão psicótica, apresentar tendências suicidas; mas não quer ser internada. Tem outra alternativa ?

    • Sim
      Neste caso, uma internação domiciliar , com parentes e amigos tomando conta do paciente funciona bem. Mas não se deve descuidar do paciente pois ele pode, rapidamente, tentar o suicídio

  6. Eu sou vanessa tenho 40 anos e minha mãe tem 63 anos desde que se aposentou em 2016 a vida dela mudou. Ela sempre foi muito ansiosa, mais agora o negócio apertou ela está com depressão psicótica mas não toma a medicação e não aceita se tratar. Ela não dirige mais, não toma banho, não corta as unhas, não escova os dentes, não fala com ninguém, somente comigo e com meu pai ela não deixa a gente fazer mais nada ela liga para mim de 2 em 2 minutos , ela não tem sono fica falando que as pessoas querem tomar a casa dela. Meu pai disse que ela me chama o tempo todo com medo que me matem e me roubem e que minha sogra e meu marido vão envenenar minha comida. Não sei mais o que fazer porque estou adoecendo também pois estou com diabetes e mudança de humor o colesterol tá alto e essa semana já senti vontade de me matar 3 vezes. Meu marido já não aguenta mais

    • O quadro de sua mãe é grave e ela precisa ser internada. Veja um psiquiatra e o que ele orienta. O CAISM na vila mariana é um centro de atençao onde ela pode ser avaliada. Ve no google

  7. Boa tarde. Fui diagnosticado com depressão psicótica em outubro de 2014. Comecei a tomar 4mg de akineton, 100 mg de luvox e 200 mg de sulpirida. demorou uns meses até me equilibrar. Porém tive uma recaída em julho de 2017. Estou percebendo que criei uma certa tolerância ao sulpirida. Hoje em dia mudei de médico pois percebi que não estava tendo resultado com minha médica atual do sus. Esse novo médico pediu 3 exames: polis sonografia, uma exame de sangue e ressonância magnética do cranio. A minha duvida é o seguinte: é possível que eu tenha adquirido tolerância ao sulpirida? E uma outra duvida: é possível a reminiscencia da depressão psicótica?

    • Tolerância pode ocorrer mas é maisfre quente com os calmantes. As vezes ocorre uma acomodação do seu metabolismo e a medicação perde em eficácia. Diante da sua situação o primeiro passo sera aumentar a dose e caso não funcionasse, rtpcar o antipsicótico.
      Reminiscência é um termo aue se refere à memória mas acho que você quis dizer se é possível a permanência de sintomas residuais do transgorno. Sim, é possível mes pode estar relacionado á necessidade de midanças na msdicação, confirme citei acima. Boa sorte e um abraço

  8. Boa noite , meu irmão está cm depressão psicotica , fica falando sozinho, agitado, e está fazendo tratamento a 8 meses e nada de melhoras !mudei de médico, agora ele está tomando orap , cloridrato de venlafaxina 75 e 150 mg !vc acha q esses remédios vão ajuda ele a melhorar?

  9. Olá, a minha mãe fez tratamento psiquiátrico pra depressão psicótica em 2009 e melhorou, em 2016 voltou a ficar deprimida ter pensamentos suicidas por isso voltou a tomar medicamentos, no início de 2017 voltou a psicose e os remédios foram aumentados, final de 2017 ela teve uma melhora, mas poucos meses depois coisa de 3 meses de melhora ela voltou a ter episódios assim, vê um homem que corre atrás dela, ouve vozes que dizem que ela tem que morrer e planeja suicídios, toma remédios etc. Eu gostaria de entender porque mesmo tomando remédio e fazendo tratamento ela não melhora, está sempre com pensamentos suicidas não sabemos mais o que fazer, ela continua fazendo tratamento, toma remédios mas os episódios continuam acontecendo. O que podemos fazer?

    • Olá Carol
      Alguns quadros em psiquiatria podem ser mais resistentes ao tratamento. Nestes casos o psiquiatra tenta mudar os remédios ou fazer associações com eles. Quando o tratamento medicamentoso falha, a eletroconvulsoterapia pode ser uma boa indicação. O atendimento em algum hospital ligado a uma faculdade de medicina também pode ser útil.

  10. Olá doutor tudo bem?
    Gostaria da sua ajuda. Sou estudante de psicologia e estou desenvolvendo meu TCC, escolhi falar sobre Síndrome de Cotard, conheci um caso e me chamou muito atenção, e desde então leio sobre. Mas não vi nenhum artigo dizendo sobre internação, já que a doença trata da negação da própria existência. Nesses casos desses pacientes que possui essa síndrome, é necessario a internação?

    O que você me indicaria para leitura?

    • Olá Lilan
      A última vez que tive contato com uma caso de Cotard faz mais de 30 anos. Sugiro que você procure uma biblioteca de uma faculdade de medicina para obter material para sua TCC. Uma biblioteca de psiquiatria, como s do HC da FMUSP seria excelente. Em relação a internaçã, penso que este seria oúltimo recurso, no caso de haver risco de suicídio.

  11. Ola Doutor eu tenho todos esses sintomas e faço tratamento no capsii transtorno e tomo varias medicaçoes a alguns dias vinha me sentindo bem e achei que deveria voltar ao trabalho e o fiz porem so fiquei trabalhando 4 dias eu surtei nao me lembro de nada so me lembro que eu estava em um lugar estranho com pessoas se deformando e andndo atras de mim e eu sai correndo ate q um amigo deu de cara comigo e me levou pra casa. Sera que eu nunca mais vou poder trabalhar? Me sinto tao mal e o pior e q estou sozinha nessa porque o marido que tenho nao se importa e eu ja tomei ate remedio pra morrer ouvindo uma voz que manda eu tomar remedios me jogar em frente de caminhao me enforcar. Preciso de ajuda.

    • Fabiola
      Você tem um quadro com características psicóticas de relevância clínica. Você deve voltar ao psiquiatra que a trata e fazer uma revisão da sua medicação. Você pode melhorar, sim. Procure ajuda psiquiátrica. Abs

  12. Eu tomava dois remédios um pra ansiedade e outro pra depressão nunca gostei de tomar remédios nas 1 semanas tomava direito depois tomava um dia outro não eu tomava o Depakene e o Pondera até que tirei o remédio e no começo não senti nada depois fui sentindo tremedeira e falta de ar acho que era ansiedade voltando mesmo assim não voltei a tomar o remédio mas é só de noite que escuto barulho ou vozes ou quando tô com medo eu tenho medo do escuro ainda então é sempre nessas horas aparece é infantil eu sei mas não consigo dormir sempre faço suco de maracujá pra vê se durmo mas não consigo fico com medo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *