Tratamento para Transtornos de Ansiedade em São Paulo

Fobia e Esquiva: Consequências do Pavor

Fobia e esquiva compõem o binômio que caracteriza os transtornos fóbicos ou fobias.

fobia e esquiva

Fobias são transtornos de ansiedade cuja principal característica é o  comportamento de evitar determinados objetos e/ou situações, também conhecido como esquiva fóbica.

Fobia e esquiva: é preciso mudar este comportamento

Para que este transtorno seja reconhecido como uma fobia não basta que a pessoa sinta medo ou pavor.

Ou que tenha o comportamento de esquiva ou evitação. Estas características são necessárias para que seja feito o diagnóstico.

fobia e esquiva

Fobia e esquiva estão sempre juntas.

No entanto, para que seja uma fobia de verdade, deve haver um prejuízo importante em pelo menos uma das áreas da vida de pessoa: trabalho, vida social, lazer ou vida amorosa.

Fobia e esquiva: a verdadeira fobia apresenta comportamento de esquiva e prejuízo importante em alguma área da sua vida

Por exemplo, uma pessoa que tenha medo de baratas, ao se defrontar com uma delas, saia correndo atrás da barata com um inseticida, não tem fobia de barata.

Isso para o fóbico é algo impensável. Ele não é capaz de enfrentar a barata.

Quem diz que tem fobia de barata e é capaz de matar uma delas, não tem fobia de barata.

O verdadeiro fóbico é capaz de subir em uma geladeira para ficar longe do inseto.

Ou, se uma barata estiver “passeando” por dentro de sua roupa, pode ser capaz de se despir em público para se livrar dela.

Isso  sim é fobia .

Curiosamente, pessoas com fobias circunscritas a determinados objetos e situações – as chamadas fobias específicas, dificilmente procuram tratamento.

A maioria das pessoas com fobia e esquiva não procura tratamento

A busca de ajuda especializada ocorre quando surgem transtorno comórbido, como a depressão ou um outro transtorno, como o transtorno pânico.

fobia e esquiva

Paradoxalmente, as fobias podem trazer grandes  limitações para quem sofre destes transtornos.

Um trabalho de psicoeducação com a descrição da natureza do quadro.

E as consequências da falta de tratamento poderiam evitar as complicações, como a cronificação e as comorbidades.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *