Tratamento para Transtornos de Ansiedade em São Paulo

Insegurança e Paranóia no País do Absurdo

Insegurança e paranóia são fatos que permeiam a vida das pessoas neste país.

Neste absurdo país.

E isto tem raízes na nossa própria história.

insegurança e paranoia

Apesar  de vinte e oito anos terem transcorrido,  e eu sobrevivido,  lembro bem do plano Collor.

Aquele em que o dinheiro dos brasileiros foi sequestrado.

Lembro de haver atendido em meu consultório a mãe de um colega, médico, que chegou carregada pelos familiares.

Ela se encontrava profundamente deprimida e com idéias de ruína e  de suicídio.

Pois o dinheiro  que economizou durante a vida, para a sua velhice, foi tomado de sopetão quando o plano  Color  entrou em vigor.

Surpresas desagradáveis como essas  têm acontecido com frequência na vida dos brasileiros gerando insegurança e paranóia

Na época, eu tinha um consultório de atendimento quase que exclusivo de psicoterapia.

Que foi varrido do mapa porque as pessoas não tinham mais dinheiro para se submeter a uma psicoterapia.

Foi um período de muito medo, insegurança e paranóia.

Aliás, viver com insegurança  por causa de planos como o Collor,  Sarney e outros que geram impostos e taxas têm sido uma constante.

Como o imposto viagem da  Dilma Russef, a Mulher Sapiens, que já se tornaram banalizados na nossa sociedade.

No entanto, não deveríamos nos acostumar a isso.

Nem com a criminalidade entre os políticos, governantes e outros homens da vida pública.

Afinal, é possível se aceitar o que faz Gilmar Mendes?

Isso mesmo, aquele que mandou soltar três vezes  Jacob Barata, um bandido, mesmo depois de um juiz do RJ ter ordenado sua prisão.

Temer: auto-explicativo.

Eduardo Cunha e Sergio Cabral: doutores em desvio do dinheiro público.

Há alguns séculos ambos teriam sido queimados em uma fogueira, em praça pública.

É claro que que não sou partidário desses métodos. Mas tem muita gente deixando o Brasil.

insegurança e paranoia

No entanto, acredito que  a corrupção e crimes afins devam ser combatidos com a mudança de leis.

Penas duras, muito duras, com longos períodos de encarceramento e sem alívio da pena, poderiam diminuir, e muito, o crime entre os homens de vida pública.

Nada de comutar as penas por serviços à comunidade, pois isso não dá certo.

Será possível se viver tranquilo um dia?

Tenho esperança que sim.

Se você gostou deste artigo, então compartilhe com os seus amigos nas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário e eu prometo que te respondo.

tito paes de barros neto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *